Category Archives: Animais Domésticos

Reservatórios de Água em SP 16 02 2015

VER: http://www.apolo11.com/reservatorios.php

mas
Rio Grande 3.8 mm
Rio Claro 9.0 mm
Alto Tietê 24.0 mm
Cotia 16.6 mm
Guarapiranga 6.2 mm
Cantareira 42.6 mm

Quantidade de chuva
precipitada sobre os manan-
ciais nas últimas 24 horas

Fonte: SABESP

CANTAREIRA
VM1 = Volume Morto 1 = 185 bilhões de litros.
VM2 = Volume Morto 2 = 105 bilhões de litros.

ALTO TIETÊ
VM1 = Volume Morto = 39.46 bilhões de litros.

Capacidade Total em Litros

Rio Grande
112 bi
Rio Claro
13bi
Alto Tietê
520 bi
Alto Cotia
16 bi
Guarapiranga
171 bi
Cantareira
1 tri


Frio y Escarcha en Panimá, Totonicapán – Guatemala

Impresionante foto tomada ayer 30 01 2015 en Panimá,Totonicapán. A pesar de la escarcha y temperatura de -3 grados, las personas siguen con sus labores normales. Foto: Leopoldo Salvador Batz

Dieta mais racional!! daqui pra frente!

Uma mudança global para uma dieta mais racional é vital para salvar o mundo da fome, da escassez de combustíveis e dos piores impactos das mudanças climáticas, afirmou hoje um relatório da ONU. Na medida em que a população mundial avança para o número previzível de 9,1 bilhões de pessoas em 2050 e o apeite por carne e laticínios ocidental é insustentável, conforme o relatório do painel internacional de gerenciamento de recursos sustentáveis do Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP).

Diz o relatório: “Espera-se que os impactos da agricultura cresçam sustancialmente devido ao crescimento da população e do consumo de produtos de origem animal. Ao contrário dos que ocorre com os combustíveis fósseis, é difícil procurar por alternativas: as pessoas têm que comer. Uma redução substancial nos impactos somente seria possível com uma mudança substancial na alimentação, eliminando produtos de origem animal”.

O professor Edgar Hertwich, principal autor do relatório, disse: “Produtos de origem animal causam mais danos do que produzir minerais de construção como areia e cimento, plásticos e metais. A biomassa e plantações para alimentar animais causam tanto dano quanto queimar combustíveis fósseis”.

A recomendação segue o conselho de Lorde Nicholas Stern, ex-conselheiro do governo trabalhista inglês sobre a economia das mudanças climáticas. O Dr. Rajendra Pachauri, diretor do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), também fez um apelo para que as pessoas observem um dia sem carne por semana para reduzir emissões de carbono.

O painel de especialistas categorizou produtos, recursos e atividades econômicas e de transporte de acordo com seus impactos ambientais. A agricultura se equiparou com o consumo de combustível fóssil porque ambos crescem rapidamente com o desenvolvimento econômico, eles disseram.

Ernst von Weizsaecker, um dos cientistas especializados em meio ambiente que coordenaram o painel, disse: “A crescente riqueza econômica está levando a um maior consumo de carne e laticínios – os rebanhos agora consomem boa parte das colheitas do mundo e, por inferência, uma grande quantidade de água doce, fertilizantes e pesticidas”.

Tanto a energia quanto a agricultura precisam ser “dissociadas” do crescimento econômico porque os impactos ambientaris aumentam grosso modo 80% quando a renda dobra, afirma o relatório.

Achim Steiner, subsecretário geral da ONU e diretor executivo da UNEP,afirmou: “Separar o crescimento dos danos ambientais é o desafio número um de todos os governos de um mundo em que o número de pessoas cresce exponencialmente, aumentando a demanda consumista e persistindo o desafio de aliviar a miséria e a pobreza”.

O painel, que fez uso de diversos estudos incluindo o Millennium Ecosystem Assessment (avaliação do ecosistema no milênio), cita os seguintes itens de pressão ambiental como prioridade para os governos do mundo: mudanças climáticas, mudanças de habitats, uso com desperdício de nitrogênio e fósforo em fertilizantes, exploração excessiva dos oceanos e rios por meio da pesca, exploração de florestas e outros recursos, espécies invasoras, fontes não seguras de água potável e falta de saneamento básico, exposição ao chumbo, poluição do ar urbano e contaminação por outros metais pesados.

A agricultura, particularmente a carne e os laticínios, é responsável pelo consumo de 70% de água fresca do planeta, 38% do uso da terra e 19% da emissão de gases de efeito estufa, diz o relatório, que foi liberado para coincidir com o dia Mundial do Meio Ambiente no sábado.

Ano passado, a Organização de Alimentos e Agricultura da ONU (FAO) disse que a produção de alimentos teria de aumentar em 70% para suprir as demandas em 2050. O painel afirmou que os avanços na agricultura serão ultrapassados pelo crescimento populacional.

O professor Hertwich, que é também diretor de um programa de ecologia industrial na Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, disse que os países em desenvolvimento, onde se dará grande parte do crescimento populacional, não devem seguir os padrões de consumo ocidentais: “Os países em desenvolvimento não devem seguir nossos modelos. Mas cabe a nós desenvolver tecnologias em, digamos, energia renovável e métodos de irrigação.”

Fonte: Brasil em Pauta / Guardian

http://www.olharanimal.org/consumo/907-onu-recomenda-mudanca-global-para-dieta-sem-carne-e-sem-laticinios

NOTA: até agora!!!

Projeto de lei que proíbe a comercialização e o uso de alguns agrotóxicos no município de São Paulo, o PL 891/2013.

Na terça-feira 9/12/2014 foi aprovado em 1ª votação na Câmara, o projeto de lei que proíbe a comercialização e o uso de alguns agrotóxicos no município de São Paulo, o PL 891/2013.

De autoria conjunta dos vereadores Nabil Bonduki (PT), Gilberto Natalini (PV) e Toninho Vespoli (PSOL) o projeto foi criado a partir de uma reivindicação da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, que exige o banimento de determinados agrotóxicos em todo o país, devido à sua toxicidade para os ecossistemas e para as pessoas.

O projeto passou por duas audiências públicas na Câmara, nos dias 1 de outubro e 4 de novembro e recebeu muitas contribuições da sociedade civil, universidade e orgãos públicos. Mesmo com a votação, ainda será aperfeiçoado.

Confira o projeto e sua justificativa

Veja o site da campanha agrotóxicos e substâncias já proibidas em vários países e as razões do banimento.

VER: http://cidadeaberta.org.br/projeto-que-proibe-a-comercializacao-de-agrotoxicos-e-aprovado-em-1a-votacao/

Florestas protegem Mananciais!

oje, restam apenas 488 km2 (21,5%) de vegetação nativa na bacia hidrográfica e nos 2.270 km2 do conjunto de seis represas que formam o Sistema Cantareira.

VER:  https://www.facebook.com/ecosurfoficial/photos/a.209649595732336.58186.209308629099766/872203342810288/?type=1&theater

Brazil no longer features in UN World Hunger Map

Sao Paulo: Brazil has hailed a new United Nations report that for the first time removed Latin America’s biggest country from the World Hunger Map.

United NationsUnited Nations

Social Development Minister Tereza Campello says in a statement that “leaving the×Map is a historic milestone for×Brazil. We are very proud because overcoming hunger was a priority for the×Brazilian state.”

The State of× Insecurity in the World 2014 was released on×Tuesday by the UN’s Food and× Organisation, the International Fund for×Development, and the United Nations World Food Programme.

VER MAIS:  http://www.firstpost.com/world/brazil-longer-features-un-world-hunger-map-1716053.html

Calor e falta de chuva…!

VER: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/08/1508423-calor-e-estiagem-fazem-casos-de-queimadas-no-pais-dobrarem.shtml


Desafio do Balde..!

Seca faz cidades do interior decretarem emergência

A estiagem recorde enfrentada pelo Sudeste do País tem feito cada vez mais cidades de São Paulo e de Minas Gerais adotarem o racionamento, para reduzir o consumo de água, ou decretarem estado de emergência. Além do desabastecimento, a seca tem prejudicado também setores como a agricultura e o turismo dessas cidades. Em Minas Gerais, segundo o boletim da Defesa Civil divulgado na quinta-feira, neste ano 129 municípios já decretaram estado de emergência por falta de água. Em alguns até o abastecimento da população corre risco, enquanto que em outros é a economia que está à beira do colapso com prejuízos, sobretudo, para a agricultura. Marmelópolis (MG) é uma das localidades castigadas pela falta de chuva. No município os 3 mil moradores -incluindo a metade que reside na área rural – ficam de torneiras secas das 11 até as 17 horas. A prefeitura local culpa a baixa vazão das nascentes e já estuda furar poços artesianos em busca de água. Em Luz (MG), cidade com pouco mais de 17 mil habitantes e que também decretou emergência, a falta de água foi sentida na agricultura, principalmente, nas lavouras de milho que alimenta o gado. Elas não renderam o esperado e agora, com pouco alimento para os animais, eles produzem menos leite, fonte importante da economia local. No Estado de São Paulo, o maior problema tem sido o racionamento, cada vez mais necessário para garantir o fornecimento nos próximos meses. Somente na região de Ribeirão Preto são mais de 20 municípios com problema de falta de água. Em Santa Rita do Passa Quatro, o corte começou na quarta-feira e está deixando a cidade por mais de 10 horas diariamente sem água. Na cidade não chove há um mês e a orientação para os moradores é no sentido de se evitar o desperdício ao máximo. Com a estiagem prolongada, as torneiras ficam secas das 13 às 16 horas e das 22 às 5h30 do dia seguinte. A prefeitura informa que para fazer a represa que abastece o município voltar ao normal seriam necessários mil caminhões-pipa.

FONTE:  http://www.politicalivre.com.br/2014/07/seca-faz-cidades-do-interior-decretarem-emergencia/


Dia Mundial de la Conservación del Suelo!!!!