Category Archives: Animais Domésticos

Seca faz cidades do interior decretarem emergência

A estiagem recorde enfrentada pelo Sudeste do País tem feito cada vez mais cidades de São Paulo e de Minas Gerais adotarem o racionamento, para reduzir o consumo de água, ou decretarem estado de emergência. Além do desabastecimento, a seca tem prejudicado também setores como a agricultura e o turismo dessas cidades. Em Minas Gerais, segundo o boletim da Defesa Civil divulgado na quinta-feira, neste ano 129 municípios já decretaram estado de emergência por falta de água. Em alguns até o abastecimento da população corre risco, enquanto que em outros é a economia que está à beira do colapso com prejuízos, sobretudo, para a agricultura. Marmelópolis (MG) é uma das localidades castigadas pela falta de chuva. No município os 3 mil moradores -incluindo a metade que reside na área rural – ficam de torneiras secas das 11 até as 17 horas. A prefeitura local culpa a baixa vazão das nascentes e já estuda furar poços artesianos em busca de água. Em Luz (MG), cidade com pouco mais de 17 mil habitantes e que também decretou emergência, a falta de água foi sentida na agricultura, principalmente, nas lavouras de milho que alimenta o gado. Elas não renderam o esperado e agora, com pouco alimento para os animais, eles produzem menos leite, fonte importante da economia local. No Estado de São Paulo, o maior problema tem sido o racionamento, cada vez mais necessário para garantir o fornecimento nos próximos meses. Somente na região de Ribeirão Preto são mais de 20 municípios com problema de falta de água. Em Santa Rita do Passa Quatro, o corte começou na quarta-feira e está deixando a cidade por mais de 10 horas diariamente sem água. Na cidade não chove há um mês e a orientação para os moradores é no sentido de se evitar o desperdício ao máximo. Com a estiagem prolongada, as torneiras ficam secas das 13 às 16 horas e das 22 às 5h30 do dia seguinte. A prefeitura informa que para fazer a represa que abastece o município voltar ao normal seriam necessários mil caminhões-pipa.

FONTE:  http://www.politicalivre.com.br/2014/07/seca-faz-cidades-do-interior-decretarem-emergencia/


Dia Mundial de la Conservación del Suelo!!!!

No al Maiz Transgénico!!!!

Seca em São Paulo já desencadeia conflito

O pesquisador argentino radicado no Brasil José Antonio Marengo, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), coordenou o capítulo sobre América Central e do Sul e também fez parte do grupo que elaborou o Sumário para Formuladores de Políticas. Ele fala das novidades, dos mais vulneráveis e do que podemos esperar para o continente.

Qual é a principal novidade desse relatório?

Marengo – Alguns aspectos regionais ficaram mais claros: o que podemos esperar de impactos e como lidar com eles. Foi criada uma classificação do tamanho do impacto com e sem adaptação. Um determinado risco pode ser menor com adaptação. Já para outros, não há o que fazer. Por exemplo, se acabar a água das geleiras andinas, teremos de buscar outras fontes. É um problema que vai desencadear conflitos. Pense na seca em São Paulo. O governador paulista quer usar água do Rio Paraíba do Sul e o do Rio não quer deixar. Não é uma guerra, mas é uma forma de conflito.

Ampliar

Falta de chuvas afeta abastecimento de água em São Paulo30 fotos

26 / 30

O nível da água é muito baixo na represa de Joanópolis (SP), nesta segunda- feira (10). Após apresentar uma pequena recuperação durante o final de semana, o volume de água dos reservatórios do Sistema Cantareira voltou a registrar queda Leia mais Luis Moura/Estadão Conteúdo
VER MAIS: http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/estado/2014/03/31/seca-em-sao-paulo-ja-desencadeia-conflito.htm

Pasto sombreado no Sítio

Queijo da Canastra é regulamentado, e preço triplica; conheça produção

Priscila Tieppo

Do UOL, em São Paulo

13/02/201406h00

Saiba como é a produção do queijo da serra da Canastra

O queijo artesanal produzido na serra da Canastra conseguiu, em 2013, autorização para ser vendido fora de Minas Gerais, desde que tenha um selo atestando a qualidade da produção. Clique nas imagens acima para conhecer a produção centenária do produto, explicada pelo mestre queijeiro Bruno Cabral Leia mais Janaina Fidalgo/Folhapress

Um dos mais conhecidos de Minas Gerais, o queijo da serra da Canastra ganhou autorização no ano passado para ser vendido fora do Estado. Com isso, os produtores tiveram de adequar as antigas salas de produção, o que encareceu o produto.

SERRA DA CANASTRA

O queijo, cuja produção é certificada pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) como patrimônio imaterial do Brasil e possui selo de indicação geográfica, é considerado um artigo gourmet, cobiçado por consumidores e chefs de todo o país.

Antes dessa regulamentação, o quilo do produto era vendido em Minas por R$ 10. Agora o preço triplicou, e as fazendas da Canastra cobram cerca de R$ 30 o quilo, de acordo com o produtor e presidente da Associação Regional dos Produtores de Queijo da Canastra, João Carlos Leite.

VER:  http://economia.uol.com.br/agronegocio/noticias/redacao/2014/02/13/queijo-da-canastra-e-regulamentado-e-preco-triplica-conheca-producao.htm#fotoNav=1

Erosão

Nutrição Mineral das Plantas

O estudo da Nutrição Mineral e do crescimento das plantas envolve a caracterização de elementos minerais essenciais. Na natureza, estão à disposição das plantas, quase todos os elementos da tabela periódica. Uma simples análise química de um vegetal não funcionaria para determinar quais destes elementos são essenciais, pois a planta pode absorver e armazenar em seus tecidos muitos elementos que não lhe são essenciais.

As quantidades demandadas de cada nutriente são variáveis, mas todos eles são igualmente importantes. Entretanto, para fins didáticos, os elementos essenciais podem ser assim classificados:

Macronutrientes Os macronutrientes são os elementos básicos necessários em maior volume às plantas. São eles: CarbonoOxigênioHidrogênio – retirados do ar e da água – e Nitrogênio,FósforoPotássioCálcioMagnésioEnxofre retirados do solo, sob condições naturais.

Micronutrientes Os micronutrientes são requeridos em pequenas quantidades, de miligramas (um milésimo do grama) a microgramas (um milionésimo do grama). São micronutrientes o Boro, CloroCobreFerroManganêsMolibdênioCobaltoNíquelZinco.

Para as plantas cultivadas, a análise química dos tecidos consiste no método mais largamente utilizado na avaliação do estado nutricional, sendo as folhas, o principal orgão amostrado para a maioria das espécies cultivadas. A interpretação do estado nutricional das plantas pode ser feita por diferentes métodos, sendo os mais comuns o método do nível crítico, o método das faixas de suficiência e o método do Sistema integrado de diagnose e recomendação.

Funções dos nutrientes

Cada nutriente é utilizado em um local diferente, com sua função específica e essencial.

Macronutrientes

Carbono: forma a estrutura das biomoléculas das plantas, incluindo amidocelulose. É fixado através da fotossíntese a partir do gás carbônico do ar e faz parte desses carboidratos, que armazenam energia nos vegetais.

Hidrogênio: também é necessário para a composição de carboidratos e para a estrutura das plantas. É obtido quase que totalmente da água.

Oxigênio: é necessário para a respiração celular. Respiração é o processo de geração de trifosfato de adenosina (ATP), rica em energia, com o consumo dos açúcares produzidos na fotossíntese.

Nitrogênio: O nitrogênio é um componente essencial de todas as proteínas. Deficiência deste nutriente geralmente resulta em atrofia das plantas.

Fósforo: é importante para os processos energéticos das plantas. Como componente do ATP, o fósforo é necessário para a conversão da energia luminosa em energia química (ATP) durante a fotossíntese. Pode também ser usado para modificar a atividade de várias enzimas por fosforilação, e pode ser usado na sinalização celular. Como o ATP pode ser utilizado nabiossíntese de várias biomoléculas, o fósforo é importante para o crescimento vegetal, floração e formação de sementes.

Potássio: regula a abertura e fechamento de estômatos através de alterações da turgidez das células-guarda induzidas por uma bomba de potássio na parede celular. Como os estômatos são importantes na regulação da perda de água pelas plantas, o potássio ajuda a diminuir perdas de água e aumenta a tolerância a secas.

Cálcio: regula o transporte de outros nutrientes dentro da planta e também está envolvido na ativação de certas enzimas.

Magnésio: é componente importante da molécula de clorofila, um pigmento vegetal essencial à fotossíntese. É importante para a produção de ATP pelo seu papel como cofator enzimático.

Enxofre: é um componente estrutural de alguns aminoácidosvitaminas, e é essencial à produção de cloroplastos.

Micronutrientes

Boro: é importante para o transporte de açúcares, divisão celular, e síntese de certas enzimas.

Cobre: é um elemento envolvido em vários processos enzimáticos, importante para a fotossíntese e na produção de grãos e da lignina das paredes celulares.

Ferro: é necessário para a fotossíntese e está presente como um cofator enzimático nas plantas.

Molibdênio: é um co-fator enzimático importante na produção de aminoácidos.

Manganês: é necessário para a produção de cloroplastos.

Zinco: é requerido por um grande número de enzimas e desempenha um papel essencial na transcrição do DNA.

Níquel: as plantas superiores, níquel é essencial para ativação da enzima urease, uma enzima envolvida no metabolismo do nitrogênio. Sem o níquel, níveis tóxicos de ureia se acumulam, resultando em lesões necróticas. Nos vegetais inferiores, o níquel ativa várias enzimas envolvidas em uma variedade de processos, e pode substituir o zinco e o ferro como cofatores em algumas enzimas.

Cobalto: é um elemento essencial aos micro-organismos fixadores de nitrogênio. O cobalto participa na composição da vitamina B12 e da coenzima cobamida, que funciona como ativadora de enzimas catalizadoras em reações bioquímicas em culturas de bactérias fixadoras de nitrogênio presentes nos nódulos das leguminosas.

Cloro: é necessário para a osmose e o balanço iônico; também participa da fotossíntese.

O conceito de solo como meio para o crescimento vegetal é uma noção antiga desde os primórdios da agricultura. De fato, as características físicas e químicas dos solos condicionam o crescimento vegetal, ao fazer variar a capacidade de retenção de água, a solubilidade dos elementos minerais, as transformações minerais e bioquímicas, a lixiviação dos nutrientes e o pH. O solo é importante para o crescimento vegetal pois supre as plantas com fatores de crescimento, permite o desenvolvimento e distribuição das suas raízes e possibilita o movimento dos nutrientes, de água e ar nas superfícies radiculares. O conjunto de propriedades do solo que propiciam o desenvolvimento vegetal é chamado de Fertilidade do Solo.

Fonte: Wikipedia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Nutri%C3%A7%C3%A3o_mineral_de_plantas

Envenenamento por Agrotóxicos

A aplicação indiscriminada de agrotóxicos afeta tanto a saúde humana quanto os sistemas naturais. Estima-se que esses venenos sejam os responsáveis por mais de 20.000 mortes não intencionais por ano, sendo que a maioria ocorre no Terceiro Mundo, onde cerca de 25 milhões de trabalhadores agrícolas são intoxicados de forma aguda.

Atualmente, o Brasil conta com 32 Centros de Controle de Intoxicação – CCI localizados em 17 Estados, onde são realizados atendimentos das intoxicações agudas ou processo de agudização do fenômeno crônico nos trabalhadores.

Esperamos que esse espaço sirva de orientação aos agricultores, técnicos agrícolas, agrônomos e líderes rurais, responsáveis pela difusão do conhecimento no meio rural. Aos fabricantes, representantes e comerciantes, lançamos um apelo à sua consciência, a fim de que atuem nos limites da ética.

VER MAIS:  http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/vene.htm n

Quinta sem trigo 13: milho nixtamalizado para tortilhas

POSTADO POR: nEIDE rIGO


Como já previa, o moinho manual levado a Dakar pelas mexicanas Madelen e Maria (fotos aqui) me fez muita falta por aqui. Assim como falta fizeram também as novas amigas. Mas milho e cal podem ser encontrados em qualquer canto, de modo que o milho nixtamalizado foi devidamente produzido na minha cozinha sem muita dificuldade.
Assim que diluí a cal e comecei a cozinhar o milho, o cheiro forte de tortilhas já começou a se insinuar, o mesmo que senti pela primeira vez em Dakar. Nunca havia comido tortilhas feitas assim, de maneira artesanal do começo ao fim. As melhores até hoje, sem dúvida alguma.
Não se sabe ao certo como tudo começou, mas o fato é que o processo de nixtamalização é transmitido de geração em geração na Mesoamérica desde os tempos pré-hispânicos. A palavra nixtamal vem do náuatle nixtli, que quer dizer cinza, etamalli, massa. Trata-se de um amaciamento dos grãos duros de milho seco através de aquecimento em solução alcalina – água com cal ou cinza. Obtem-se, assim, o nixtamal ou milho nixtamalizado, com sua película dissolvida, que pode ser moído para fazer tortilhas e vários outros pratos.
Há cerca de cem anos a trituração do milho era feita emmetates, até surgirem os moinhos de pedra e, recentemente, os de metal. Embora a vida moderna tenha induzido ao uso de produtos pré-prontos como as farinhas de milho nixtamalizado à qual basta adicionar água, o hábito de preparar o próprio nixtamal ainda sobrevive nos povoados mexicanos, nas zonas rurais. O aprendizado continua sendo passado de mãe pra filha, com a vantagem que agora há muitos moinhos públicos espalhados por todo o país. Basta levar o nixtamal e sair com a massa pronta.

Embora não se tenha muitas informações de como nasceu a necessidade de nixtamalizar o milho, hoje há inúmeros estudos (veja links lá embaixo) mostrando as alterações físico-químicas que acontecem durante o processo. Sabe-se que a nixtamalização melhora o aporte nutritivo de proteínas, aumenta o teor de calcio, fósforo e ferro, transforma parte do amido em amido resistente (como as fibras solúveis, é importante para a saúde da microflora do cólon, por exemplo) e ainda torna a niacina (vitamina B3) biodisponível, só para citar algumas propriedades. Isto, sem falar na melhoria de performance física e sensorial como ingrediente. O milho tratado assim torna-se maleável e flexível, tornando possível o feitio de tortilhas que podem ser abertas até ficarem muito finas – ato fácil para o trigo, mas quase impossível para outros amiláceos sem gluten. E ainda parece libertar todo seu sabor oculto nos grãos secos inodoros e insípidos.

VER TUDO:  http://come-se.blogspot.com.br/2011/03/quinta-sem-trigo-13-milho-nixtamalizado.html